.

Roubos caem 13,28% em agosto de 2019, aponta Governo

Com isso, o mês passado foi o 24° consecutivo de redução dos Crimes Violentos contra o Patrimônio. Essa retração foi iniciada em setembro de 2017 e, em toda a história do Pacto pela Vida, essa é a maior sequência de recuo desse tipo de modalidade criminosa

Com a redução de 13,28% nos Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVP), registrada em agosto, Pernambuco chega ao 24º mês seguido de queda do número de roubos e assaltos, quando comparado com o mesmo período do ano anterior. Em números absolutos, foram 6.645 ocorrências registradas no mês passado, contra 7.663 casos no mês correlato de 2018. Essa série de queda, iniciada em setembro de 2017, é a maior em toda a linha do tempo do Pacto pela Vida. A segunda maior marca ocorreu nos 12 meses entre maio de 2012 e abril de 2013, ou seja, metade da sequência atual.

Comparando os últimos 24 meses de retração, com o mesmo período anterior, a diferença é de 41.22 mil crimes do tipo para menos. Entre setembro de 2017 e agosto de 2019, houve 186.402 roubos, contra 227.424 registrados entre setembro de 2016 e agosto de 2018. Percentualmente, o declínio foi de 18%. Quando fazemos o recorte dos oito primeiros meses de 2019, em relação à sequência entre janeiro e agosto de 2018, o recuo foi de 15,28% - caiu de 66.271 queixas no ano passado para 56.145, em 2019 (diferença de -10.126).
“O trabalho continua e é preciso avançar para trazer mais tranquilidade para o pernambucano, quando sai às ruas, pega o transporte público, aguarda seus familiares chegarem em casa. Não podemos baixar a guarda e precisamos, cada vez mais, do envolvimento de todos na construção de uma sociedade pacífica. Importante salientar que o empenho e a integração de todos os que fazem o Pacto pela Vida, coordenado pelo governador Paulo Câmara. Mesmo em tempos difíceis para a economia do país, alcançamos uma sequência inédita de declínio dos diversos tipos de roubos, incluindo assaltos a transeuntes, investidas a coletivos, cargas, bancos e outras modalidades. Foi o dobro da segunda maior marca do PPV nesse comparativo, entre 2012 e 2013, anos muito mais prósperos nos indicadores socioeconômicos”, avaliou o secretário de Defesa Social, Antonio de Pádua.

RMR PUXA QUEDA - No mês passado, a queda dos números de CVPs foi puxada pelos municípios que compõem a Região Metropolitana (exceto o Recife), que somaram 1.919 ocorrências e registraram uma redução de 19,81% em relação a agosto de 2018, que teve 2.393 casos. Em seguida, ficou a Zona da Mata, com uma retração de 17,41%, caindo de 758, em 2018, para 626, em agosto do ano passado. O Agreste, com decréscimo de 9,43% (de 1.411 para 1.278), e o Sertão, com redução de 5,18% (de 367 para 348), completam a lista.


AGRESTE LIDERA REDUÇÃO NOS OITO MESES DESTE ANO - No consolidado do ano, as posições se invertem, com o Agreste liderando o recuo dos crimes contra o patrimônio. De janeiro a agosto, foram 10.133 crimes do tipo na região, o que representa uma retração de 26,16%, em relação ao mesmo período de 2018, com 13.722 ocorrências. O Sertão também figura em melhor posição, registrando um decréscimo de 24,18%. Ao todo, foram 2.825 ocorrências somadas, neste ano, contra 3.726, em 2018. A Zona da Mata, com retração de 18,34% (de 6.586 para 5.378), e a Região Metropolitana (exceto o Recife), com redução de 12,94% (de 19.636 para 17.095), fecham o ranking.
“Os municípios do Agreste e Sertão lideram a retração no ano, mas é importante ressaltar que a diminuição nos CVPs ocorre em todas as regiões do Estado. Na análise do mês de agosto, por exemplo, destacaram-se importantes municípios da RMR, como Olinda. Com 385 ocorrências, teve o menor número nos últimos 52 meses, sendo maior apenas que abril de 2015 (375). O mesmo ocorreu na Área Integrada de Segurança 8, que engloba Paulista e outras cidades do Litoral Norte. No mês passado, a AIS 8, com 445 ocorrências, teve a menor incidência dos últimos 52 meses, sendo maior apenas que abril de 2015 (427)”, completou o secretário.
Foto: Divulgação
ACAPITAL TAMBÉM REDUZ – Com ações específicas promovidas em importantes áreas do Recife, como a Operação Boa Viagem, colocada em prática na Orla do bairro; a Operação Cerne, realizada no Centro; e a Operação Agamenon Magalhães, que atua na principal via da cidade, a Capital também tem registrado retração nos crimes contra o patrimônio. Só no mês passado, a queda foi de 9,51% em relação a agosto de 2018. Os números saíram de 2.734, no ano passado, para 2.474, neste ano. No balanço geral do ano, a redução é de 8,35%. Ao todo, foram 20.714 ocorrências de roubos registradas entre janeiro e agosto, de 2019, contra 22.601 notificadas no mesmo período do ano passado.

RECUPERAÇÃO DE CELULARES AUMENTA 91% – Ao mesmo tempo em que o número de roubos retrocede, a quantidade de aparelhos celulares recuperados pelas polícias segue em aumento. De janeiro a agosto, foram 5.910 aparelhos recuperados, um aumento de 91% em comparação com o mesmo período do ano passado, quando 3.091 celulares foram reavidos pelo trabalho policial.

Por sua vez, o quantitativo de celulares roubados caiu em 12% entre janeiro e agosto deste ano. Se nesse ínterim em 2018 as polícias notificaram 24.738 ocorrências desse tipo de CVP, em 2019 os dados baixaram para 21.793. Só no mês de agosto, a retração se manteve em 12% (de 2.923 para 2.581 roubos de celular).

ROUBOS DE VEÍCULOS PERMANECEM EM QUEDA – Por mais um mês, as estatísticas da SDS referentes à subtração violenta de veículos continuam em declínio. Ao todo, foram computados 1.127 casos no mês passado, número 4% menor que o mesmo mês em 2018, quando foram registrados 1.175 crimes do tipo. No conjunto do ano, entre janeiro e agosto, a variação chega a -19,%. No total, esse tipo de crime saiu de 10.985 ocorrências para 8.854.

ROUBOS DE CARGAS CAÍRAM 39% EM AGOSTO - As ocorrências de roubos de carga retrocederam 39% no mês de agosto, saindo de 59 queixas desse tipo de crime, em agosto de 2018, para 36 no mês passado. Nos oito primeiros meses do ano, comparando-se com esse período em 2018, a retração chega a 18%. Foram 341 queixas referentes a essa modalidade criminosa, 74 a menos do que no ano passado.
Foto: Divulgação
INVESTIDAS A COLETIVOS CAEM 17,76% – A Força Tarefa Coletivos, que promove um trabalho integrado de combate aos criminosos que atuam em transportes coletivos já prenderam, entre os meses de janeiro a agosto de 2019, 210 pessoas por essa prática delituosa. Só em agosto, foram 35 criminosos tirados das ruas.

Com isso, as investidas criminosas no transporte coletivo rodoviário apresentaram o menor número dos últimos quatro anos, quando se avalia o período de janeiro a agosto. Com 574 casos, este ano ficou acima apenas de 2015, quando houve 570 queixas nos oito primeiro meses. Comparando com o mesmo período de 2018 (637), a diminuição chegou a -9,89%. 

O mês de agosto, sozinho, apresentou uma redução de 17,76% em comparação ao mesmo período de 2018. No total, foram 88 ocorrências no mês passado, contra 107 no mesmo período do ano anterior.


CRIMES CONTRA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOMAM MENOR NÚMERO DE OCORRÊNCIAS DESDE 2005 – O mês de agosto, com apenas uma investida contra carro-forte, registrou o menor número de crimes contra instituições financeiras desde agosto de 2005. Em comparação ao mês de agosto do ano passado, que somou duas ocorrências, a retração foi de 50%. No acumulado dos oito primeiros meses do ano, a redução desse tipo de crime chegou a 63%, ao sair de 49 para 18 ocorrências dessa modalidade criminosa.

PRODUTIVIDADE POLICIAL – Do primeiro dia do ano até 31 de agosto, as operativas da SDS prenderam 25.860 pessoas em flagrante delito e cumpriram 4.003 mandados de prisão. Além disso, autuaram 4.032 adolescentes que cometeram atos infracionais e registraram 4.473 ocorrências de tráfico de drogas e apreenderam, ao todo, 5.064 armas que estavam em poder de suspeitos de crimes.

Comentários pelo Facebook
0 Comentários pelo Blog

Ao escrever seu comentário, certifique-se que o mesmo não possui palavras ofensivas (palavrões), calúnia e difamação contra ninguém, pois, caso haja, ele poderá ser banido por nossos moderadores, desejando manter a ordem e respeito a usuários e terceiros citados nas publicações.

Para mais informações consulte as nossas Políticas de Uso