.

Caminhoneiros e governo negam que haverá nova paralisação da categoria

Classe desmente áudios e vídeos com informações falsas que se proliferam no WhatsApp.
Imagem meramente ilustrativa
O governo federal e lideranças de entidades que representam caminhoneiros de todo o país negaram nesta sexta-feira (1º) os boatos referentes a uma nova paralisação da categoria neste final de semana. Nos últimos dias, mensagens de áudio e de texto circularam em grupos de WhatsApp dizendo que uma nova greve iria ocorrer a partir da 0h deste domingo (3).

Pelo menos quatro áudios e uma mensagem de texto em tom de alerta circularam por grupos de Whatsapp nos últimos dias. Nos áudios, homens dizendo ser caminhoneiros estariam alertando outras pessoas sobre uma nova paralisação. A razão da nova greve, segundo os áudios, seria o suposto veto do presidente Michel Temer (MDB) à redução de R$ 0,46 no preço do óleo diesel. A medida, no entanto, já está em vigor, segundo o governo. 
"Da nossa parte esse rumor não procede. Não estamos envolvidos em nenhuma nova paralisação seja no domingo, seja na segunda-feira. Nos grupos de WhatsApp que reúnem lideranças da categoria e que nós participamos não há nenhum movimento neste sentido", afirma a porta-voz da Abcam (Associação Brasileira de Caminhoneiros), Carolina Rangel.
"A greve dos caminhoneiros está resolvida. Nossa pauta de reivindicações foi atendida", afirma o diretor do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos de Ourinhos (SP), Ariovaldo Almeida Jr.
Ao site Paraná Portal, parceiro do UOL, representantes da CNTA (Confederação Nacional dos Transportares Autônomos) e da UNC (União Nacional dos Caminhoneiros) também negaram que haverá nova paralisação. Em entrevista a uma rádio, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que a possibilidade de uma nova paralisação de caminhoneiros não passa de boatos.
"Não existe uma articulação para refazer o movimento. Está se tentando criar uma clima de ansiedade, de preocupação e divulgando fatos infundados", afirmou Jungmann.
A greve dos caminhoneiros durou 11 dias e gerou uma crise desabastecimento de combustíveis e de alimentos em todo o país. O movimento foi encerrado na quinta-feira (31).
Com informações do Portal Uol

Comentários pelo Facebook
0 Comentários pelo Blog

Ao escrever seu comentário, certifique-se que o mesmo não possui palavras ofensivas (palavrões), calúnia e difamação contra ninguém, pois, caso haja, ele poderá ser banido por nossos moderadores, desejando manter a ordem e respeito a usuários e terceiros citados nas publicações.

Para mais informações consulte as nossas Políticas de Uso