.

Emprego temporário cresce, mas empresa individual ainda é saída para milhões de brasileiros

Crise, incerteza e mercado são fatores que impedem despesas com pessoal

Foto meramente ilustrativa
Datas comemorativas viraram sinônimo de emprego temporário nos últimos anos no país, muito por conta da indústria que produz sob demanda em razão das altas nas vendas esporádicas. Dia das mães, dos namorados, Páscoa e Natal são datas emblemáticas para o empresariado e para quem busca um lugar no mercado, que está cada vez mais concorrido.

Segundo a ASSERT - Associação Brasileira do Trabalho Temporário, devem ser geradas pouco mais de 430 mil vagas de emprego, entre setembro e dezembro de 2018. O número é 22% maior que 2016, mas muito pequeno se comparado, segundo o IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, aos mais de 13 milhões de desempregados.

É uma loteria que pode ser visualizada mais claramente no número de empresas individuais no Brasil, que vem crescendo desde o início de crise em 2009. Segundo dados do Empresômetro, empresa brasileira de inteligência de mercado, de todas as mais de 21 milhões de empresas ativas no país, 58% são de empresários individuais. Pouco podem fazer esses empreendedores por aqueles que precisam de um emprego, uma vez que podem contratar apenas uma pessoa.

Ainda segundo a ASSERT, o emprego temporário é a melhor saída em tempos de crise, mas o que vem mudando é o local onde estão esses empregos, antes em comércio varejista, que são cerca de 80% de todas as empresas ativas, de acordo com o Empresômetro. O setor vem perdendo espaço para a indústria, que corresponde a 7% de todas as empresas ativas, e que com a possibilidade de contratações mais flexíveis, pode investir na produção tanto para o varejo quanto para o mercado B2B (business to business).

Esse cenário também é apontado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo – CNC, que viu uma redução no número de contratações temporárias, por volta de 1,7% menos em relação a 2017. Essa redução se deu, segundo a CNC, devido às incertezas quanto ao futuro da economia; a entidade prevê um crescimento menor nas vendas do Natal, por exemplo, demonstrando a desaceleração econômica e fazendo com que o empresário segure mais despesas fixas, inclusive com pessoal.

Um dos dados mais importantes levantados é a taxa de absorção desses empregados temporários, que em 2017 era de 23%, com uma previsão de apenas 19,8% de efetivações em 2018. 
“O país passa por um momento delicado e que diante do desconhecido se vê obrigado a segurar investimentos e despesas, tendo consequências em todos os aspectos da economia, e o brasileiro ainda vê como saída o emprego temporário e a abertura de seu negócio próprio, facilitado pela celeridade em iniciar a atividade empresarial individual, a independência e a possiblidade de ganhos acima do que o mercado empregador oferece”, esclarece o diretor do Empresômetro, Otávio Amaral.
Isso é visto pelo crescimento das empresas individuais entre 2016 e 2018, são mais de três milhões de novos empreendedores, em média 1,5 milhão por ano, segundo estatísticas fornecidas pelo Empresômetro, ou seja, muito maior que o mercado empregador oferece hoje. São pequenas empresas que atendem demandas do cotidiano, como serviço de cabeleireiro, comida e entregas.
“Ainda é uma saída para uma força de trabalho imensa no Brasil, mas que não consegue ser absorvida pelo mercado. São inúmeros os fatores, mas alguns deles são a incipiente forma de produção, grande carga tributária e a qualificação surreal exigida por grande parte dos contratantes”, explica Amaral.

Comentários pelo Facebook
0 Comentários pelo Blog

Ao escrever seu comentário, certifique-se que o mesmo não possui palavras ofensivas (palavrões), calúnia e difamação contra ninguém, pois, caso haja, ele poderá ser banido por nossos moderadores, desejando manter a ordem e respeito a usuários e terceiros citados nas publicações.

Para mais informações consulte as nossas Políticas de Uso