.

Eleições 2016: Blog entrevista Fernando Aragão e Cleiton Barboza

"Meu programa de governo é consertar o que está errado em Santa Cruz do Capibaribe", dispara Fernando.
Fotos: Paulo Henrique (p/ Blog do Bruno Muniz)
Na manhã desta terça-feira (05), o Blog do Bruno Muniz recebeu em sua redação, o pré-candidato a prefeito pelo grupo de oposição em Santa Cruz do Capibaribe, Fernando Aragão (PTB), além do seu pré-candidato a vice-prefeito, o empresário Cleiton Barboza, também do PTB.

Na ocasião, o blog deu continuidade a série de entrevistas com os pré-candidatos no município, já havendo sido realizadas as entrevistas com Rodolfo Aragão (PSOL) e Clodoaldo Barros (PMN). O objetivo das entrevistas é mostrar os perfis de cada um dos interessados em assumir o posto de prefeito do município, incluindo quem já conquistou este feito, como é o caso do atual prefeito Edson Vieira, do PSDB.

Dentre os assuntos tratados, Fernando comentou a atual conjuntura política e econômica de Santa Cruz, além de expor seu ponto de vista sobre outros temas, como por exemplo os tramites da corrida eleitoral e a administração do Governo Vieira, tido como o seu principal concorrente no cenário político local.

Enfático, Fernando trouxe seus pensamentos referentes ao período de campanha e como o mesmo está se comportando neste momento. Para o pré-candidato pelo PTB, a sua campanha deverá ser pautada em poucos recursos, havendo neste caso uma maior busca por diálogo e apoio da sociedade civil.
"Desde quando eu comecei a minha vida política, eu tenho em mente e fiz muitas reuniões com as comunidades. Naquela época as associações aqui praticamente nem existiam, mas a gente sempre que havia a necessidade de discutir com a população se reunia e conversava", relembrou Fernando o início de sua trajetória política.
Questionado pelo blog sobre como se comportaria a sua campanha este ano, financeiramente falando, Fernando explicou alguns pontos que deram a entender que o seu grupo buscaria manter gastos razoáveis, desta forma transparecendo para população uma postura mais focada nas propostas, e menos no poder aquisitivo.
"Eu sei que logicamente há uma diferença muito grande entre uma campanha de vereador e uma campanha majoritária, a prefeito, elas são distintas, mas até em relação a outras campanhas de alguns colegas que disputavam a parte legislativa, eu sempre fiz campanhas muito enxutas, nunca passei dos limites porque eu acho que nós temos que estar baseados no que a população precisa de fato saber, aquilo que a gente quer e aquilo que a gente pretende. Não vai ser diferente, o dinheiro de fato é curto e as dificuldades são imensas. A maioria da população de Santa Cruz do Capibaribe sabe que eu sou um pequeno comerciante - acho que não chego a ser nem um pequeno industrial - mas que tenho a minha fabriqueta. Não sou de sair por ai, as vezes pegando muitos investimentos, existem pessoas que fazem esse tipo de coisa (não tenha nada contra eles), mas infelizmente quem sofre é a cidade, até porque você gasta um dinheiro abusivo e quando chega 'lá' alguém terá de pagar essa conta", disse Fernando.
Ainda na pauta das campanhas e suas finanças, Fernando disse que espera contar com apoio financeiro também por parte da população, já que a baixa quantidade de recursos e o atualizado regimento eleitoral limita as doações por parte de empresas.
"As empresas não podem doar oficialmente, a gente sabe disso, mas a população pode. E se a população de fato quer uma mudança como ela está dizendo em todas as pesquisas internas que a gente tem feito e que demonstram que a sociedade está com uma vontade muito grande de mudança, é preciso que ela entenda que para existir a mudança é preciso que a gente cheque sem esses débitos, para que a gente possa chegar livres de compromissos e para que possamos, de fato, ter um compromisso com a população", ressaltou o pré-candidato, referindo-se ao fato de muitos gastarem em suas campanhas valores superiores aqueles que receberão no exercício dos cargos públicos.
Encerrando o tema corrida eleitoral, Fernando não exitou em criticar a situação do atual prefeito Edson Vieira, afirmando que espera uma atenção redobrada da justiça sob o mesmo, que mesmo com os bens bloqueados deverá fazer uma campanha de muitos recursos.
"Espero que a lei, a justiça eleitoral, esteja vendo isso e é lógico que nós também vamos fiscalizar. Não vamos permitir que hajam abusos, a gente sabe que o dinheiro vai 'jorrar', eu não tenho medo de dinheiro - porque vi campanhas em épocas passadas, gente com tanto dinheiro e perdeu - acho que o povo é quem está consciente daquilo que quer", pontuou.
Sobre articulações, Fernando explanou o seu pensamento para com as possibilidades de alianças que ainda podem ocorrer. Neste quesito, questionamos o pré-candidato sobre uma possível adesão de Dimas Dantas (PP) ao seu projeto, Fernando disse acreditar e estendeu o tapete para que isso ocorresse.
"Dimas está incluído, eu considero Dimas uma das pessoas que tem grandes ideias para Santa Cruz do Capibaribe, já tive contato com ele durante o período que ele foi vereador e eu fui junto com ele - tivemos embates, pois eu acho que a democracia, o importante e o bonito dela é você poder discordar mas também poder chegar a um acordo futuro, tudo isso precisa ser discutido para que a gente possa chegar a um denominador comum - e Dimas tem essas ideias, então precisamos por em prática. A gente está conversando, estamos adiantando", afirmou.
Ao lado de Cleiton, por diversos momentos Fernando Aragão completou suas falas citando o nome de seu vice e afirmando que os planos do mesmos se comunicavam com os seus 
Conforme ocorreu nas demais entrevistas, um tema proposto pelos internautas foi levado até os pré-candidatos entrevistados desde então, onde curiosamente nas três entrevistas os leitores escolheram "Segurança" como sendo a necessidade mais emergencial da sociedade atualmente.

Neste segmento, Fernando afirmou que teria propostas para sanar o avanço da insegurança vivida pela 'Capital da Moda', sustentando que para isso ocorresse, um melhor planejamento poderia fazer grande diferença.

Ainda de acordo com o vereador e hoje pré-candidato, a falta de representatividade do atual prefeito junto ao governador dificultaria a construção de uma cidade mais segura.
"O que a gente vê é o que a população está vendo, uma cidade totalmente desprotegida", disse e disparou, "Hoje o gestor de Santa Cruz do Capibaribe não está fazendo nada em prol da segurança porque não tem força política junto ao governo", especificou.
Por citar por diversas vezes a administração atual e seu governo, Fernando foi provocado a comentar sobre o seu plano de governo, onde disse:
"Meu programa de governo é consertar o que está errado em Santa Cruz do Capibaribe", finalizou.
Fernando ainda seguiu debatendo outros temas, onde citou a água como sendo um dos principais problemas vividos por Santa Cruz. Neste ponto, o pré-candidato voltou a defender a construção de um Distrito Industrial, mas, afirmou que sem incentivo e boa vontade do Governo do Estado para com a questão da águia, dentre outros políticos à nível de Estado que representam o município, isso jamais seria possível.

"Nesse segundo momento eu entro novamente com o mesmo pensamento de mudança e o mesmo pensamento de contribuir pela cidade", sustenta Cleiton
Cleiton Barboza além de debater questões atuais relembrou o seu ingresso na política, "contra a vontade de muitos", afirmou
Em suas falas, Cleiton Barboza ressaltou a condução política que o levou para chapa de Fernando, ressaltando que compactuaria das escolhas do pré-candidato, havendo assim uma maior possibilidade de diálogo perante os eleitores.
"Fui alguém que surgiu no meio do povo, em 2012, quando participei das eleições com ideias e com a fala que eu acredito que era o sentimento popular naquele momento. Foi uma pena que a tradição política de Santa Cruz prevaleceu. Eu acredito que naquele momento eu tinha as melhores propostas, representava melhor a política de Santa Cruz na perspectiva da sociedade", disse Cleiton relembrando um pouco se seu ingresso na vida pública.
Sobre o cenário atual, Cleiton ressaltou que mantém o seu posicionamento de outrora.
"Nesse segundo momento eu entro novamente com o mesmo pensamento de mudança e o mesmo pensamento de contribuir pela cidade. Não me sinto um político profissional, sou alguém que vive de seu comércio, que sobrevive dele e a política para mim é uma maneira de contribuir com a sociedade e principalmente com a cidade na qual eu nasci", disse Cleiton.
Sobre o atual contexto político envolvendo ambos os grupos, o empresário criticou os problemas sociais vividos pelo município, além da condução das demandas da população.
"A gente vê hoje esse sentimento da população que já convivia, acredito, que desde a minha existência, ou desde que eu ouço falar disso; com Saúde precária, com Educação que simplesmente não funciona e outros problemas que a sociedade está enfrentando, como a água (em falta)", ressaltou.
"O grande desafio de Fernando Aragão e Cleiton é tentar trazer de volta a credibilidade para a política, apesar de fazermos parte de um grupo tradicional, nosso objetivo é fazer com o que as pessoas olhem para nós e sintam a esperança de que pode ter jeito para Santa Cruz do Capibaribe", encerrou.

Comentários pelo Facebook
0 Comentários pelo Blog

Ao escrever seu comentário, certifique-se que o mesmo não possui palavras ofensivas (palavrões), calúnia e difamação contra ninguém, pois, caso haja, ele poderá ser banido por nossos moderadores, desejando manter a ordem e respeito a usuários e terceiros citados nas publicações.

Cordialmente: Equipe Blog do Bruno Muniz (Para mais informações consulte as nossas Políticas de Uso).