.

"Quebrando o Silêncio" é tema de campanha contra violência sexual em Santa Cruz do Capibaribe

Igreja promoverá sessões de aconselhamento e caminhada
Foto: Paulo Henrique (Agreg Imagem)
A Igreja Adventista do Sétimo Dia em Santa Cruz do Capibaribe está realizando uma movimentação que também ocorre nacionalmente. Quebrando o Silêncio foi o tema escolhido este ano. Segundo informações, a ideia da ação é conscientizar as pessoas e motivar vítimas de agressões sexuais a relatarem as suas histórias no intuito de que isso possa ajudá-las e ajudar a outros em situações semelhantes.

O Blog do Bruno Muniz recebeu, na manhã desta sexta-feira (25), membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia local. Dentre eles a psicologa Roseane Veiga, que está envolvida com o evento e evidenciou alguns detalhes sobre a programação. Dentre as ações baseadas no tema para a campanha está uma caminhada que ocorrerá no próximo sábado, dia 26. A concentração acontecerá nas imediações de um dos templos da Igreja Adventista do Sétimo Dia em Santa Cruz do Capibaribe, mais precisamente na Avenida Biu de Deda, no bairro São Jorge.
"Além das mulheres, crianças e adolescente também são vítimas de violência. E muitas vezes essa violência acontece no ambiente onde na verdade era para elas estarem protegidas. Os principais agressores são pais, padrastos, tios, primos, avôs, pessoas próximas", conta a Dra. Roseane Veiga.
Foto: Paulo Henrique (Agreg Imagem)
Os dados realmente preocupam

• Segundo levantamento realizado em 2014 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), 30% das mulheres em todo o mundo sofrem violência física ou sexual.

• 70% das vítimas de abuso sexual são crianças e adolescentes, de acordo com recente estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

• Levantamentos recentes também apontam que 24% dos agressores e abusadores são os próprios pais. 32% são amigos ou conhecidos da família.
Foto: Paulo Henrique (Agreg Imagem)
A psicologa Roseane Veiga também detalha pontos importantes do aconselhamento aos pais para que identifiquem possíveis abusos que seus filhos possam estar eventualmente sofrendo. Neste âmbito ela reforça a importância do diálogo entre os responsáveis por crianças e adolescentes.
"Dentro da Igreja a gente trabalha com a 'Escola de Pais', que é um tema bem específico, onde iremos tratar dos abusos, explicar quais são os vários tipos de abusos que podem acontecer. Tratamos também da questão dos abusos que as crianças podem sofrer na escola. A gente orienta os pais quanto a isso", explicou.
Para a profissional comportamental, outro ponto relevante a ser ressaltado são as sequelas deixadas devido situações que envolvem abusos. Ela detalha que mesmo após anos, o sentimento de frustração, medo e revolta podem perdurar enquanto não houver um acompanhamento mais detalhado.
"Por mais que os abusos já possam ter acontecido há muitos anos, as feridas muitas vezes não foram cicatrizadas, e isso fica. Então, essas feridas emocionais só cicatrizam quando são de fato tratadas", explicou.
Ainda de acordo com os entrevistados, outras ações de apoio aos casos de pessoas abusadas ou violentadas devem prosseguir mesmo após o encerramento da campanha deste ano. A concentração para a grande passeata, ponto crucial do evento, acontecerá com início às 9h.

Comentários pelo Facebook
0 Comentários pelo Blog

Ao escrever seu comentário, certifique-se que o mesmo não possui palavras ofensivas (palavrões), calúnia e difamação contra ninguém, pois, caso haja, ele poderá ser banido por nossos moderadores, desejando manter a ordem e respeito a usuários e terceiros citados nas publicações.

Para mais informações consulte as nossas Políticas de Uso