.

Prefeito de Santa Cruz do Capibaribe vivência dias de expectativa com o desenrolar de processo que pede a sua cassação

Ex-vereador e candidato a prefeito, Fernando Aragão diz acreditar na justiça
Assessoria jurídica de Edson Vieira falou sobre o caso – Foto: Bruno Muniz (Agreg Imagem)
O município de Santa Cruz do Capibaribe, situado no Agreste de Pernambuco, vivência dias de grande expectativa para o desenrolar do processo que investiga supostas irregularidades praticadas na campanha eleitoral do ano de 2016, ano este em que o prefeito Edson Vieira (PSDB), foi reeleito.

O processo nesta feita investiga, além do próprio prefeito, o vice-prefeito José Raimundo Ramos (PSB) e o vereador Joab do Oscarzão, do PSD. Na documentação elaborada pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), os três políticos, hoje com mandatos, são acusados de usarem de um evento realizado uma semana antes da eleição para se promoverem perante o eleitorado.
Vereador Joab do Oscarzão, do PSD – Foto: Bruno Muniz (Agreg Imagem)
Na ocasião, o trio participou do ato promovido pelo Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST), que tem como líder o vereador Joab e que aconteceu na casa de recepções Glamour, em Santa Cruz. Segundo trechos da denúncia, o convite feito ao público tinha como objetivo tratar de questões relacionadas a um terreno da prefeitura, porém no dito evento situações fora do contexto ocorreram.

Testemunhas relataram que o evento foi realizado como um nicho de campanha eleitoral, caracterizado por detalhes que apontavam para isso. Neste sentido o Ministério Público Eleitoral (MPE) fez interpretações que podem se tornar agravantes para o atual gestor.
"O compromisso que agora foi 400, a gente pode fazer mais 500, mais 1.000 casas, aqui para o povo de Santa Cruz do Capibaribe, (inaudível) trabalhador. Obrigado a todos vocês, contem comigo, podem ter certeza, vocês confiem no reverendo, vocês confiem em Joab, confiem em Vanessa, confiem na gente. Tenham certeza, contem comigo eu conto com vocês, como Joab disse, o número dele é 55456, e o meu é 45", aponta um trecho de uma gravação presenta nas provas em posse do MPE.
Edson Vieira e Dida de Nan durante a campanha de 2016 – Foto: Bruno Muniz (Agreg Imagem)
Em nota, a assessoria jurídica do prefeito Edson Vieira se posicionou sobre o caso e afirmou que o vereador Ernesto Maia (PT), oposicionista, teria interferido nas investigações, prejudicando assim a integridade padrão das investigações.
“Com relação a matéria veiculada, reiteramos a nossa confiança no resultado final deste processo, pois em momento algum se comprovou qualquer ato ilícito por parte dos integrantes da coligação. Pelo contrário, nos autos, fica evidenciado que as testemunhas da parte da acusação não relataram em momento algum qualquer fato que viesse direta ou indiretamente apontar compra de votos, ou qualquer tipo de favorecimento. Ainda reiteramos que as referidas testemunhas relataram que o vereador Ernesto Maia, notório opositor e integrante da ala partidária derrotada nas urnas, viabilizou transporte, advogado e apoio logístico para este processo.

Também constam nos depoimentos que algumas testemunhas de acusação afirmaram não ter havido nenhum tipo de ação que pudesse se remeter a promessa de vantagens ou compra de votos, conforme trecho da matéria 'DE ACORDO COM A DEFESA, NOS DEPOIMENTOS, TODAS AS TESTEMUNHAS AFIRMARAM QUE NÃO RECEBERAM E NEM CONHECEM NINGUÉM QUE TENHA RECEBIDO TERRENO E QUE NÃO VIRAM NENHUM DOS RÉUS PROMETEREM DOAR TERRENOS, TAMPOUCO COM O FIM DE OBTER O VOTO'.

Reafirmamos que nosso compromisso é sempre focado em buscar os avanços que a cidade necessita, tanto é que nossos candidatos conseguiram através da legítima vontade popular a sua vitória. Portanto, Edson Vieira, Dida de Nan e o vereador Joabh estão confiantes de que a justiça será realizada em um momento próximo, e aqueles que ainda não se conformaram com o resultado nas urnas, vão ter que aceitar a decisão da Justiça Eleitoral”, diz a nota.
Foto: Bruno Muniz (Agreg Imagem)
Com as recentes movimentações, outros políticos também comentaram o caso, dentre eles o ex-vereador Fernando Aragão, do PTB. Fernando foi candidato ao cargo de prefeito e concorreu contra Edson Vieira nas eleições de 2016, ocasião em que foi derrotado com uma diferença de quase 1 mil votos.

O petebista disse acreditar na ação da justiça, além de esperar com confiança o resultado final. Vale destacar que em um cenário de de possível condenação contra os políticos investigados, até mesmo uma nova eleição poderá ser realizada.

Comentários pelo Facebook
0 Comentários pelo Blog

Ao escrever seu comentário, certifique-se que o mesmo não possui palavras ofensivas (palavrões), calúnia e difamação contra ninguém, pois, caso haja, ele poderá ser banido por nossos moderadores, desejando manter a ordem e respeito a usuários e terceiros citados nas publicações.

Para mais informações consulte as nossas Políticas de Uso