.

Pernambuco cria grupo de trabalho para combater a exploração sexual de crianças e adolescentes

A Assembleia Legislativa de Pernambuco (ALEPE) através da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, formou um grupo de trabalho que visa o combate à exploração sexual de crianças e adolescentes. O intuito do grupo é realizar palestras nas cidades do Estado com ações de conscientização e de articulação da rede de proteção.

Os integrantes da iniciativa, conta com o apoio do Ministério Público do Trabalho, a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a Polícia Militar, o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente e as secretarias estaduais de Saúde e Desenvolvimento Social, Criança e Juventude. Também serão convidadas a compor o grupo, o Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, a Associação Municipalista de Pernambuco e as secretarias estaduais de Educação e da Mulher.
“Todos os órgãos têm uma atuação sobre o mesmo problema. Precisamos convergir e garantir que a rede assistencial esteja estruturada para proteger as crianças e adolescentes”, explicou o promotor de Justiça Guilherme Lapenda.
Presidente da Comissão da Mulher, Simone Santana - Foto: Divulgação
“Vamos às cidades conhecer as vulnerabilidades, escutar os municípios e a população para propormos ações de enfrentamento”, resumiu a presidente da Comissão da Mulher, Simone Santana (PSB). Membro do colegiado, a deputada Priscila Krause (DEM) também participou da reunião.
Números – O Brasil, em média, registra cerca de 6,7 mil denúncias de exploração sexual de menores por ano, segundo dados compilados pela organização Childhood Brasil e apurados pelo Disque 100, que recebe denúncias de violações aos direitos humanos. Em Pernambuco, a Secretaria de Defesa Social contabilizou, em 2016, mais de 1,4 mil casos de violência sexual contra crianças e adolescentes.


Comentários pelo Facebook
0 Comentários pelo Blog

Ao escrever seu comentário, certifique-se que o mesmo não possui palavras ofensivas (palavrões), calúnia e difamação contra ninguém, pois, caso haja, ele poderá ser banido por nossos moderadores, desejando manter a ordem e respeito a usuários e terceiros citados nas publicações.

Para mais informações consulte as nossas Políticas de Uso