.

Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe realiza atividades sobre trabalho infantil em escolas municipais

Foto: Assessoria de Comunicação
A prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe, por meio da Secretaria de Governo e Desenvolvimento Social e o PETI (Programa de Erradicação ao Trabalho Infantil), iniciou na manhã desta quarta-feira (17), uma série de atividades com palestras, apresentações de vídeos e peças teatrais nas escolas do município sobre trabalho Infantil.

A primeira unidade de ensino a ser visitada foi a Escola Municipal Lindalva Aragão de Lira, Bairro Santo Agostinho. A conferência foi ministrada por Conceição Martins, coordenadora do PETI e Kleiton Ferreira, Presidente do COMDECA. As instruções acontecem em dois períodos, manhã e tarde.
“Temos que atuar de todas as formas no combate ao trabalho infantil, estamos começando pelas escolas, vamos percorrer seis unidades e posteriormente, vamos falar com os pais e responsáveis”, contou Conceição Martins.
Foto: Assessoria de Comunicação
Paulo Roberto, gestor da Escola Municipal Lindalva Aragão, falou da interação entre a escola e a comunidade para debater o tema.
“Esse primeiro momento com palestras, filmes e teatro é muito importante, porque desperta as crianças, abrem os horizontes desses jovens no tocante a desumanidade que é o trabalho infantil”, disse o gestor.
“Nosso papel é fazer com que crianças e adolescentes sejam prioridade e ações iguais a essa é de grande relevância. Alertamos sobre a crueldade do trabalho infantil, pois sabemos que crianças estão sendo as responsáveis por rendas familiares, um fato lamentável. Nossa intenção é conscientizar que lugar de criança é na escola”, contou Kleiton Ferreira, presidente do COMDECA.
Foto: Assessoria de Comunicação
É denominado trabalho infantil qualquer atividade realizada por crianças e adolescentes entre zero e 13 anos. A partir dos 14 anos pode-se desenvolver alguma atividade como menor aprendiz. Já dos 16 aos 18, os trabalhos são permitidos, desde que não aconteçam das 22h às 5h, que não sejam insalubres ou perigosos.

Além da escola do Santo Agostinho, os encontros vão acontecer nas escolas municipais Professora Sevy Ferreira Barros, (18), bairro Santa Tereza, João Maia Neto (19), no Nova Morada, Professora Lucinalva Santos Aragão de Souza (24), bairro Palestina, além da escola Donatila da Costa Lima (25), COHAB, e Ivone Gonçalves de Araújo (26), no Centro. Apoiam essa iniciativa, Secretaria de Educação, Conselho Tutelar, COMDECA, Cras e Creas.

Conteúdo da Assessoria

Comentários pelo Facebook
0 Comentários pelo Blog

Ao escrever seu comentário, certifique-se que o mesmo não possui palavras ofensivas (palavrões), calúnia e difamação contra ninguém, pois, caso haja, ele poderá ser banido por nossos moderadores, desejando manter a ordem e respeito a usuários e terceiros citados nas publicações.

Para mais informações consulte as nossas Políticas de Uso