.

Em Palmares, moradores disputam comida estragada por lama da chuva

Situação aconteceu na segunda (29) quando as águas das chuvas baixaram e supermercados jogaram fora alimentos que foram atingidos pela enchente
Foto: Divulgação
Em meio ao alagamento provocado pela enchente do Rio Una, em Palmares, na Mata Sul de Pernambuco, moradores disputaram comida estragada para garantir suprimentos. A situação aconteceu na segunda-feira (29), quando as águas baixaram e supermercados da cidade jogaram fora alimentos que foram atingidos pela enchente. O município é um dos 24 afetados pelas fortes chuvas do fim de semana e está entre as cidades que o governo do Estado decretou situação de emergência.

Situação semelhante ocorreu na enchente de 2010, quando a cidade passou por outra grande cheia. Na segunda, dezenas de pessoas disputam comida descartada pelo supermercado como lixo. Moradores levaram o que podiam como sacos de feijão, arroz, macarrão e leite, que estavam misturados em meio a água e lama.

O Distrito de Santo Antônio está isolado e uma ponte de quase 15 metros caiu no Engenho Milão. O prefeito de Palmares, Altair Júnior (PMDB), esteve com o governador Paulo Câmara e entregou um ofício solicitando mais de 20 itens.
“É uma ponte muito cara. O município não vai ter condições de fazer isso. Vai precisar do estado, mas temos que ter um paliativo de imediato. Fazer uma ponte de madeira, fazer alguma coisa lá. Mandamos uma equipe para ver o que a população está precisando. Água, alimentação”, pontuou o prefeito.
Mortos e desabrigados

A Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe) informou, no início da noite desta segunda-feira (29), que subiu o número de pessoas afetadas pelas enchentes que atingiram 23 cidades no interior. São 44.801 moradores: 42.145 desalojados, que deixaram as residências, e 2.656 desabrigados, que perderam as casas. Até esta segunda de manhã, o número de pessoas afetadas pelas enchentes era de cerca de 30 mil.

No Nordeste, outras cidades foram castigadas pelas chuvas. Ao todo, foram oito mortos em acidentes com barreiras, sendo cinco em Alagoas e três em Pernambuco, e mais de 48 mil pessoas sem habitação nos dois estados.  Pernambuco e Alagoas tiveram 41 municípios afetados.

No Nordeste, as chuvas ocorrem por causa de um fluxo de vento que vem do oceano carregado de ar úmido, formando nuvens carregadas na costa e na Zona da Mata. De acordo com o meteorologista Celso Oliveira, da Somar Meteorologia, trata-se de um sistema chamado onda de leste, comum nesta região no outono e inverno.


Com informações do G1

Comentários pelo Facebook
0 Comentários pelo Blog

Ao escrever seu comentário, certifique-se que o mesmo não possui palavras ofensivas (palavrões), calúnia e difamação contra ninguém, pois, caso haja, ele poderá ser banido por nossos moderadores, desejando manter a ordem e respeito a usuários e terceiros citados nas publicações.

Para mais informações consulte as nossas Políticas de Uso