.

Deputados estaduais divergem sobre os 10 anos de ‘Pacto Pela Vida’ na ALEPE

Foto: Divulgação
Na tarde desta segunda-feira (08) a Assembleia Legislativa de Pernambuco (ALEPE) vivenciou mais um palco de discussões entre os deputados. O motivo: os 10 anos de existência do Programa Pacto Pela Vida, criado na gestão do Governo Eduardo Campos (PSB).

Nas discussões, foi possível perceber que a bancada de Oposição realizou várias críticas, principalmente relacionado aos altos índices de criminalidade que vem acometendo o estado. Para os deputados, o Governo tem que buscar o diálogo com a sociedade e melhorias que possam surtir efeitos no Programa.
“Infelizmente, chegamos a esses 10 anos sem ter o que comemorar. Tivemos o quadrimestre mais violento desde a criação do pacto, com mais de dois mil assassinatos em Pernambuco em 2017”, afirmou o líder da Oposição, Sílvio Costa Filho (PRB). Ele pediu que a Assembleia Legislativa tenha um assento nas reuniões do programa. “Reafirmo nosso interesse em sentar à mesa com o governador Paulo Câmara para apresentarmos sugestões”, declarou.
Joel da Harpa (PTN), Edilson Silva (PSOL), Socorro Pimentel (PSL) e Teresa Leitão (PT) reforçaram o discurso de Costa Filho. Teresa ressaltou que o diálogo com a sociedade civil deveria ser retomado na gestão do Pacto pela Vida. 
“Esse programa é muito mais do que uma reunião semanal de monitoramento. Pressupõe a participação de outras partes no processo”, avaliou.
Já os deputados que compõem a base do Governo, criticaram a oposição e afirmaram que Paulo Câmara tem realizado esforços para melhorar o programa, e criar as condições necessárias com o intuito de diminuir a violência.
“O governador investirá mais de R$ 4 bilhões em segurança pública, dentro de um orçamento de R$ 30 bilhões. O índice de homicídios em Pernambuco é uma nota destoante. Mas estamos trabalhando para mudar isso, para que depois possamos celebrar a redução desses números”, afirmou Isaltino Nascimento (PSB), líder do Governo na ALEPE.
Nascimento lembrou que as reuniões do Pacto pela Vida contam com a participação da Defensoria Pública, do Ministério Público, do Tribunal de Justiça, entre outras instituições. Além disso, segundo ele, “nunca foi negado à Alepe espaço para participar dos encontros”. Ao mesmo tempo, o parlamentar criticou a possibilidade de diálogo direto do Governo com associações representativas de policiais militares, assim como a ideia de desmilitarizar a PM. Para ele, a desmilitarização pode causar perda do sentido de ordem e hierarquia na corporação.
“Para a Oposição, trazer novas viaturas, gratificações para quatro mil policiais e tantos outros investimentos em segurança não serve para nada. Só vai adiantar a retomada do diálogo com as associações. A argumentação da Oposição é frágil”, considerou, em aparte, o vice-líder governista Rodrigo Novaes (PSD).
Para Waldemar Borges (PSB), “já está claro que algumas entidades, como a Associação de Cabos e Soldados, não têm intenção de dialogar, mas apenas de fazer a política do ‘quanto pior melhor’”.

No Tempo de Liderança, Edilson Silva avaliou que a ideia de desmilitarizar a PM foi apresentada de maneira equivocada por Isaltino Nascimento. 
“O fato de deixar de ser militar não quer dizer que vá haver suspensão da hierarquia e da ordem na polícia”, argumentou. “Além de hierarquia, é preciso haver liderança e autoridade moral. E essa autoridade é perdida quando oficiais têm aumentos muito maiores do que os praças, por exemplo”, pontuou.
Com informações do Blog do Mário Flávio 


Comentários pelo Facebook
0 Comentários pelo Blog

Ao escrever seu comentário, certifique-se que o mesmo não possui palavras ofensivas (palavrões), calúnia e difamação contra ninguém, pois, caso haja, ele poderá ser banido por nossos moderadores, desejando manter a ordem e respeito a usuários e terceiros citados nas publicações.

Para mais informações consulte as nossas Políticas de Uso