.

Editorial – A 'Sensação de Segurança' não depende do prefeito, nem do futuro prefeito


Tenho observado com cautela o uso do tema 'segurança pública' como o norte da campanha que busca a reeleição e das demais que visam assumir a máquina pública de Santa Cruz do Capibaribe. As propostas divulgadas pelos três grupos do município em seus respectivos planos de governo são boas, no papel, aparentemente eficazes e podem ser tornadas reais, sim.

Embora não sejam utópicas, propostas de melhoria na 'sensação de segurança' no contexto em que vivemos não é uma postura justa junto ao eleitorado, não é verdadeira ao ponto de mudar uma realidade. O eleitor precisa estar ciente que nenhum gestor municipal é capaz de mudar o cenário de insegurança que vivemos hoje, pelo menos não da 'água para o vinho' como está sendo exposto.

O que o Brasil vive hoje é uma consequência de suas Leis e regimento penal flexível, uma postura adotada com o passar de vários anos que acarretou em problemas crônicos de gestão. O avanço do comércio de drogas, a superlotação em presídios e a sensação de impunidade foi o que nos trouxe até aqui, foi o que nos tornou escravos de uma realidade que precisa de algo além do que só quatro anos para ser revertida.

Essa abordagem se encaixaria facilmente em outros segmentos, bem como; Saúde, Educação, Cultura e até mesmo o Esporte. Sendo assim, é aceitável que você alegue que o seu voto será depositado em determinados candidatos pela afinidade que você possui com eles, pelo comparativo de ideologias, pela simpatia, dentre outras questões, porém, jamais pela justificativa de que os mesmos mudarão uma realidade que não compete aos mesmos.

Em uma avaliação mais popular, os candidatos podem até prometer que irão preparar o município para enfrentar as adversidades, mas, indague-se, seria justificável eles prometerem que podem impedir que as adversidades aconteçam?

Por Bruno Muniz

Comentários pelo Facebook
0 Comentários pelo Blog

Ao escrever seu comentário, certifique-se que o mesmo não possui palavras ofensivas (palavrões), calúnia e difamação contra ninguém, pois, caso haja, ele poderá ser banido por nossos moderadores, desejando manter a ordem e respeito a usuários e terceiros citados nas publicações.

Cordialmente: Equipe Blog do Bruno Muniz (Para mais informações consulte as nossas Políticas de Uso).