.

"Foi tudo em um momento só, foi desespero mesmo", – diz acusado de matar menor de 4 anos

Homem que chocou o Agreste de Pernambuco após um crime covarde fala pela primeira vez
Foto: Luciano Lopes (Divulgação)
No último sábado (02), a Polícia Civil efetuou a prisão do senhor José Antônio dos Santos Irmão, de 51 anos. José Antônio é peça confessa de ter praticado um crime de homicídio contra uma criança de apenas 4 anos no momento em que a mesma dormia, na Vila do Algodão, comunidade pertencente ao município de Taquaritinga do Norte, no Agreste.

O crime aconteceu no último dia 26 de junho, um domingo. De acordo com informações, José Antônio ainda esfaqueou duas outras pessoas da mesma família, sendo uma delas um idoso de 81 que sofre de limitações na visão. A vítima mais grave da ocorrência ainda permanece internada em uma unidade hospitalar no Recife - relembre estes casos.

No ato da prisão, o acusado foi entrevistado pelo repórter policial Luciano Lopes. A entrevista aconteceu no interior da Delegacia de Polícia de Santa Cruz do Capibaribe. Em suas falas, José Antônio expressou a suposta motivação que o teria levado a cometer os crimes, porém demonstrou frieza em suas explicações.
"Era só com a mulher mesmo", – tentou se justificar Antônio em poucas palavras, afirmando que todo o problema que o levou a cometer os crimes seria motivado por divergências com sua ex-companheira.
"Eu vinha me 'abusando' com ela porque ela vinha me desprezando, e só inventando mentiras e me acusando das 'coisas', somente", – sustenta o acusado.
"Justamente por isso mesmo, depois que eu fui condenado ela só me deu desprezo e aquilo vinha me matando por dentro, eu ajudava ela demais e só me desprezou... Desprezo, desprezo, ai...", disse José Antônio sem concluir.
"Foi tudo em um momento só, assim, foi desespero mesmo" – disse sobre o fato de ter tirado a vida da menor enquanto ela ainda dormia.

Comentários pelo Facebook
0 Comentários pelo Blog

Ao escrever seu comentário, certifique-se que o mesmo não possui palavras ofensivas (palavrões), calúnia e difamação contra ninguém, pois, caso haja, ele poderá ser banido por nossos moderadores, desejando manter a ordem e respeito a usuários e terceiros citados nas publicações.

Cordialmente: Equipe Blog do Bruno Muniz (Para mais informações consulte as nossas Políticas de Uso).